‘Coronavírus atinge todas as classes, mas a oferta de leitos não é democrática’

Camila Monteiro, doutora em epidemiologia, em atuação no Hospital Israelita Albert Einstein(foto: Arquivo pessoal)

Conheça a rotina da mineira Camila Nascimento Monteiro, que atua em hospital de São Paulo no combate ao coronavírus: aprendizado diário

“Um dia de cada vez e muito aprendizado a cada jornada” – Camila Nascimento Monteiro, de 36 anos, mineira, natural de Piedade do Rio Grande, no Campo das Vertentes. Ela cursou a Faculdade de Farmácia na Universidade Federal de Juiz de Fora e ingressou no mestrado e doutorado na área de epidemiologia na Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, faz pós-doutorado em epidemiologia também na USP, onde criou um forte vínculo com o Hospital das Clínicas, além de trabalhar no Hospital Israelita Albert Einstein (Hiae). Duas instituições que tratam grande número de casos de pacientes que contraíram o coronavírus, em momento de pandemia que desafia profissionais da área.

Destacando que suas opiniões não representam as dos hospitais em que trabalha, Camila contou ao Estado de Minas como tem sido seus dias no enfrentamento da doença, enquanto ainda tenta entender seus mecanismos. E já tem ao menos uma conclusão: “Muitos dizem ser a doença democrática. Sim, a doença afeta todas as classes de renda, mas quanto à oferta de leitos, não é democrática”.

 

São Paulo é um dos estados que mais sofrem com a expansão do novo coronavírus. No total, desde o primeiro caso, registrado em fevereiro, o novo coronavírus causou a morte de 991 pessoas no estado até ontem, segundo número de óbitos confirmados pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. O total de casos confirmados chegou a 13.894 ontem.

 

Camila se mudou para São Paulo em 2009 e mora no Bairro Aclimação, na Região Central da cidade. O vínculo com o Hospital das Clínicas veio com o pós-doutorado, mas ela fica a maior parte do tempo no Hospital Israelita Albert Einstein. A farmacêutica conta que as preparações nesses dois hospitais foram “intensas” para o combate à pandemia do novo coronavírus. “Nossa, nem eu sei como consigo conciliar… Não sei te responder”, disse sobre a rotina profissional, que é também, segundo ela, um período de aprendizado, com muito, muito trabalho.

 

Medo 

 

Em média, são 12 horas por dia trabalhadas, sem nenhum momento de folga ou lazer no último mês. “A pressão é grande, muito grande. Com isso, também o cansaço”, contou. No Hiae, onde fica a maior parte do tempo, no início havia uma reunião semanal. “Passamos a ter reuniões diárias e, muitas vezes, duas vezes ao dia.” Camila conta que são reuniões para discutir os indicadores, o manejo dos pacientes, os protocolos, os insumos, a organização e reorganização do serviço, divisão de escalas, entre outros assuntos.

 

A farmacêutica trabalha na área administrativa. Não tem contato diretamente com os pacientes com COVID-19, mas convive com profissionais que atuam na linha de frente e podem ser assintomáticos. “Tenho medo de ser infectada, como a maioria da população. Por morar e trabalhar em locais com muitos casos de COVID-19, fico ainda com medo de estar infectada, mas assintomática, e minha preocupação é principalmente sobre o risco de transmitir a doença para meus pais, minha avó e familiares, que moram na minha cidade natal. Não vou pra lá desde janeiro, fico com muita saudade deles, entretanto, sei que é necessário aguardar para visitá-los”, relatou.

 

Estudos 

 

Camila avalia que o clima é de medo, insegurança, “desconhecimento” do que está por vir. “Vou dizer dos profissionais que estão na linha de frente e são colegas meus: todos têm muito medo, ficam inseguros. A escassez de testes para a COVID-19 aumenta ainda mais a insegurança. Mesmo usando todos os EPIs (equipamentos de proteção individual), muitos foram infectados. Um dos colegas do HC diz que quanto maior a exposição ao vírus, como no caso de profissionais de saúde na linha de frente, maior a chance de ser infectado”, relatou ela.

 

“Estamos estudando muito e tentando entender melhor essa epidemia. Pegamos modelos de países que já tiveram pico da doença, como Itália, Espanha, EUA. Há semelhanças e diferenças. Aqui há pacientes graves de todas as idades, apesar de a proporção maior ser em idosos”, completou ela

Ela concilia a rotina intensa com a leitura de artigos científicos sobre a COVID-19. Camila acompanha artigos sobre prevenção e estudos sobre os medicamentos para o tratamento, o que a deixa ainda mais apreensiva pelo fato de termos ainda muitas perguntas e nem todas as respostas sobre esse vírus. “Preocupa-me também a questão da insuficiência de leitos. A ocupação dos leitos nos hospitais públicos está aumentando exponencialmente, me preocupa chegar no limite”, afirma. Até porque, segundo ela, há uma grande desigualdade de leitos no Brasil.

 

Especificamente no caso de São Paulo, também há uma grande desigualdade entre leitos públicos e privados. “Os primeiros casos de COVID-19 foram de pessoas com acesso à saúde suplementar – pessoas que voltaram do exterior. Hoje está nessa população e também na que é dependente do Sistema Único de Saúde (SUS)”, acrescentou.

 

Para Camila, a conclusão até agora é que a doença é “democrática” e afeta todas as classes de renda. “Isso é diferente de muitas outras doenças infecciosas, que em geral são mais prevalentes na população com pior condição socioeconômica. Mas quanto à oferta de leitos, a COVID-19 não é democrática”, pontuou.

 

Em uma megalópole como São Paulo, com enormes desigualdades econômicas, sociais e culturais, essas desigualdades ficam evidentes com a epidemia. “Sabemos que os arranjos urbanos interferem muito na prevenção da doença. Por mais necessário que seja o isolamento social, é muito difícil que seja cumprido totalmente em comunidades em que vivem pessoas com baixo poder aquisitivo, em que há elevada densidade demográfica por cômodo de residência. Grande parte dessa população passa o dia trabalhando fora de casa, o que aumenta o risco de infecção; são essas pessoas que dependem do SUS caso necessitem de internação, e sabemos que não há leitos suficientes. A pandemia ressalta ainda mais a desigualdade social em São Paulo e no Brasil em geral”, acredita.

 

A questão da insuficiência de vagas nas unidades de saúde preocupa Camila em relação a sua cidade natal, que não tem leitos de UTI. No município vizinho, São João del-Rei, o número de leitos não é suficiente. Ela participa de uma grande mobilização em Piedade – que tem 100% de cobertura do programa Estratégia Saúde da Família (ESF) – para a prevenção da doença, como a confecção de máscaras e conversas dos profissionais de saúde com a população no sentido de ajudar a compreender a gravidade da doença. “Sabemos que a Atenção Primária à Saúde (APS) tem um papel fundamental nesse processo de prevenção da COVID-19,” acrescentou.

 

Isso porque a doença se agrava muito rapidamente. Em muitos casos, conta Camila, vemos que um dia o paciente está bem e no seguinte já pode estar na UTI. “Quando vemos modelos de países do hemisfério norte, como Itália, Espanha, EUA, em geral é assim que a COVID-19 se comporta, com 20% dos pacientes apresentando casos graves. Há vários modelos para avaliar o risco de propagação da epidemia. Não existe um modelo verdadeiro, não sabemos claramente como vai ser no Brasil como um todo e não temos número real de casos, para isso teríamos que testar toda população”, disse. Para ela, os dados são incipientes, há muitas limitações nas bases das estatísticas, como a má qualidade dos registros, o que dificulta muito fazer uma projeção.

 

Em relação aos pacientes que chegam aos hospitais onde ela trabalha, Camila pontua: “Todas as idades, a maioria idosos”. O preocupante é que a doença não atinge só o pulmão. Altera também o sistema nervoso central, microcirculação – a parte hematológica é muito afetada. É uma doença multissistêmica. É preciso estudar muito as alterações, ainda há muitos pontos de interrogação sobre a COVID-19″, disse. Portanto, a recomendação continua: fiquem em casa.

 

Lições 

 

“Epidemias sempre existiram e sempre vão existir em todo o mundo, temos que aprender com elas. A COVID-19 tem sido um aprendizado constante. Vemos a importância da ciência em todos os aspectos da doença, na prevenção, manejo e tratamento. Há muitas pesquisas em torno da COVID-19 em todas as áreas, não só na da saúde, e que têm chegado a um número maior de pessoas. O Brasil tem um sistema de saúde forte, vai suportar. Precisamos aprimorar o sistema de vigilância e quando terminar essa epidemia, continuar a trabalhar para que possamos ter um sistema ainda mais forte e enfrentar as próximas epidemias, que certamente virão.”

 

O que é o coronavírus?

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

 

Como a COVID-19 é transmitida?

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

 

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
  • Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o coronavírus é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Fonte: Estado de Minas

 Por: Larissa Ricci

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *